Sobre Viagens e Amores
Filmes - Drama
Sobre Viagens e Amores (2017)
(L'estate Addosso)
  • País: Itália, EUA
  • Classificação: 14 anos
  • Estreia: 4 de Maio de 2017
  • Duração: 97 min.

Sobre Viagens e Amores | Crítica

Gabriele Muccino faz uma bonita crônica sobre as dores e delícias do amadurecimento

Chegar aos 18 anos é um momento mágico - e confuso - para a maioria dos jovens, que estão cheios de expectativas, vontade de realizar coisas, mas precisam lidar também com a velha pergunta: quem eu serei? É com esse questionamento que começa Sobre Viagens e Amores (L’estate addosso), filme de Gabriele Muccino e protagonizado por Matilda Anna Ingrid Lutz (O Chamado 3) e Brando Pacitto (Piuma).

A trama acompanha a vida de Marco (Pacitto), um jovem que mora em Roma e não vê muitas alegrias em ter 18 anos. Ele vive constantemente preocupado com a morte e se perguntando o que fará da vida. Quando um de seus amigos vai para os EUA, ele junta dinheiro e resolve ir também, na esperança de ter algumas respostas para tudo isso. O que ele não sabia é que precisaria dividir a viagem com Maria (Ingrid Lutz), uma jovem que ele conhece há muito tempo na escola, mas é considerada chata e antiquada por todos. Chegando aos EUA, eles se hospedam com o casal Matt (Taylor Frey) e Paul (Joseph Haro) e é aí que as grandes mudanças começam.

O primeiro grande elogio do filme é como o diretor - que também assina o roteiro - e o elenco conseguem fazer os diálogos de forma natural. Diferente de filmes teens americanos, Sobre Viagens e Amores não tenta mostrar como a juventude é perfeita, nem cria linhas de texto artificiais. Ao invés disso, ele mostra como é difícil se adaptar a um lugar novo e mudar conceitos que você teve durante toda a vida. Há diversão, é claro. Estamos falando de quatro jovens dividindo a mesma casa em São Francisco. Mas mesmo esses momentos não têm nada de plásticos e mostram tudo de forma leve.

O grande tema do longa é a mudança, tanto de pensamentos, quanto de personalidade e da percepção de mundo. Mesmo que Maria e Marco sejam os jovens conhecendo a América pela primeira vez, Matt e Paul também aprendem muito com eles, principalmente quando revelam suas histórias e suas inseguranças. Aos poucos, os quatro se tornam grandes amigos e Maria, que começa a trama com muito preconceito em relação ao casal, passa a entender melhor como o mundo é diverso e as possibilidades de relacionamentos são enormes.

O único defeito do filme é que, apesar de ter pouco mais de 1h e meia, a trama fica um pouco arrastada e cansativa no meio da história, dando a impressão que a produção é muito maior, mas nada disso é capaz de tirar o brilho da história que termina com uma mensagem de amadurecimento muito importante para os jovens. Por conta disso, Sobre Viagens e Amores se sobressai no gênero de filmes adolescentes, mostrando que é possível contar uma história divertida, mas com ensinamentos importantes. Se você está perto dos 18 e se sente confuso com a vida, vale a pena assistir.

Leia mais sobre Sobre Viagens e Amores

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

"Meus pais estão ali", "Adeus Marco", "É só um garoto que eu conheci em São Francisco". Essas são as três últimas frases de Maria no filme, e para mim representam exatamente aquilo que o filme é: lindo e triste ao mesmo tempo. Digo, que todos os personagens se transformam e amadurecem ao longo do filme é nítido, e dá pra acreditar que aqueles momentos felizes foram reais e pareciam não ter fim, mas o choque de realidade que o filme dá no final é destruidor ! O filme é como se fosse uma vida separada, um tempo fora da realidade, um mundo onde os quatro viveram e aprenderam juntos, mas que assim que se separaram, eles voltaram pra sua realidade e aquilo tudo acabou. Não dá pra saber o que aconteceu com Matt e Paul, apenas presume-se que estão bem pois, diferente de Maria e Marco, seguiram juntos para um caminho que lhes parecia certo. Maria, por outro lado, no momento em que pousa em NY, deixou São Francisco para trás, e no momento que pisa em Roma, deixou os EUA para trás. O mesmo não se pode dizer de Marco, que narra em off o filme como se fosse uma lembrança sendo revivida constantemente. Maria mentiu ao dizer que amava os três rapazes ? Acredito que não, pelo menos não naquele momento. Mas ao sair de São Francisco ela deixou aquela vida, aquele mundo paralelo guardado na lembrança e seguiu em frente. Marco não, ele amou aquele mundo, e principalmente amou Maria. É um tanto trágico, triste. Espera-se que os quatro continuem amigos, mas a vida real prova que quase nunca isso de fato acontece. Fazemos amigos temporários o tempo todo, sejam em viagens, escola, faculdade. Fazemos promessas de que aquilo vai durar, aquilo vai ser pra sempre, mas a distância e a realidade de cada um são cruéis, e no final tudo fica na memória. Cabe a cada um saber lidar com isso. Na vida eu sou o Marco, me identifiquei com ele, e por isso achei o final triste. Mas realmente, é um filme excelente !

Mas o filme não é sobre o Aécio Neves..

ta bom

O grande problema de como vc vai levar a sua vida esta na preocupaçao do que os outros irao achar de sua postura e escolhas diante da sociedade. Ai esta a cilada. E amadurecer nao deve ser uma preocupaçao e sim uma escolha pessoal. Tem muitos com 60 anos que n amadureceram e fingem que sao os caras. Kkkkkk

parece excelente.

Irei conferir no cinema

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus