The Post - A Guerra Secreta
Filmes - Biografia, Drama histórico
The Post - A Guerra Secreta (2017)
(The Post)
  • País: EUA
  • Classificação: 12 anos
  • Estreia: 25 de Janeiro de 2018
  • Duração: 135 min.

The Post - A Guerra Secreta | Crítica

Steven Spielberg usa caso clássico da imprensa americana para fazer uma defesa de instituições

Numa época em que não só as instituições mas também as nossas mais sólidas noções de governo estão em transformação, The Post - A Guerra Secreta se apresenta nostalgicamente não apenas como um libelo pela liberdade de imprensa mas principalmente como uma defesa de instituições. Não é por acaso que tanto a esquerda quanto a direita americana o recebam bem; o filme de Steven Spielberg trata personagens como personificações dos pilares do seu tempo: o Estado, a mídia, a família.

Meryl Streep vive o pilar da família, Katharine Graham, publisher do The Wahsington Post durante o período mais crítico da sua história, quando o jornal deixou de ser um empreendimento familiar regional para se transformar em um gigante da imprensa americana. A dinâmica "Igreja vs Estado" que ela estabelece com Ben Bradlee (Tom Hanks) é o motor do filme; Bradlee edita o jornal e defende a autonomia da redação, no dossiê que expõe os documentos secretos do Pentágono sobre a Guerra do Vietnã, e Katherine precisa defender os interesses econômicos do Post (que se cruzam com os interesses da aristocracia política de Washington).

Bradlee, obviamente, é o pilar da mídia, papel que ele já desempenhou em clássicos como Todos os Homens do Presidente, relato feito a quente em 1976 na época do Watergate (o escândalo que se seguiu ao caso dos papéis do Pentágono, nas páginas do Post). Quem fecha o triângulo aqui e faz o pilar do Estado não é Richard Nixon - figura que Spielberg só filma de costas, à distância, respeitando o caráter ridículo que Nixon ganhou no imaginário hollywoodiano - e sim Robert McNamara (Bruce Greenwood), o Secretário de Defesa e "senhor da guerra" que representa o braço mais dramático do Estado americano, o braço da força.

Ao escolher McNamara como um dos vértices desse triângulo, Spielberg fecha bem os atores funcionais de uma dinâmica de pressão, que conduz a trama de forma tensa, a cada momento pendendo para o lado de Katherine ou de Bradlee. O filme se desenrola numa mistura dos thrillers temáticos de Spielberg, como Munique, em função da tensão, com os longas "de prestígio" do cineasta, em que a fotografia-de-holofote se encarrega de transformar a ação palavrosa em statements discursivos.

É muito interessante observar como em The Post o trabalho do diretor de fotografia Janusz Kaminski se esforça para conciliar o thriller e o palanque. O modo de operação básico de Kaminski é a panorâmica; seja nas salas da casa de Katherine ou na redação do Post, a câmera quase sempre se move em planos longos que circulam o elenco, se aproximam e se afastam de quem fala, como se cercasse a ação após identificá-la. Isso ajuda a manter a tensão interna nas cenas, e ao mesmo tempo torna cada fala um acontecimento, porque cada close-up se antecede por toda uma preparação.

Se Spielberg quer fazer funcionar The Post (um filme em que precisamos mesmo acreditar que esses totens bem definidos da família, da mídia e do Estado são pessoas de carne e osso como nós, falíveis e suscetíveis aos movimentos da trama), é preciso mesmo eleger formas muito rigorosas de enquadrá-los. Além das panorâmicas, The Post abusa dos contra-plongées, um recurso bastante basilar de gramática cinematográfica que acaba funcionando bem aqui para fazer de gigantes como Meryl Streep e Tom Hanks meras peças de uma história maior que a vida.

Ainda assim, convém que não se perca a dimensão conservadora de The Post: toda conquista pessoal é acima de tudo uma conquista do establishment, e seus atores fazem esses papéis de pilar no limite da caricatura: Greenwood está quase irreconhecível com o cabelinho cortado ao meio de McNamara, Streep fica em constante estado lacrimejante para denotar a sensibilidade maternal de Katherine (não por acaso a cena em que ela bota as crianças para dormir é a virada definitiva do filme, o que diz muito sobre a importância que Spielberg dá à família) e Hanks estica as pernas pra cima de qualquer mesa sempre que possível, porque afinal o papel de Bradlee é reafirmar que a mídia não obedece ninguém.

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

Você não entende nada de cinema. Gosta mesmo é de sessão da tarde.

Que isso, rapaz! sério!?

Ah, merece sim! Até agora o meu favorito dos 9!

Realmente o filme e otimo, meus parabens vão para o diretor de fotografia que fez um trabalho excepcional. Meryl Streep está otima como sempre mas não acho que merecesse a indicação ao Oscar. No geral fiquei muito satisfeito com o filme, e bom ver que Spielberg esta conseguindo contar esses fatos históricos sem cair na pieguice, como foi com Lincoln. 4 ovos bem dados.

Bom filme, que pode até mesmo ser emendado com Todos os Homens do Presidente como continuação. Mas não merece as indicações ao Oscar.

Filme incrível! Mostra uma complexidade de situações que não só mostra a real, mas também motiva o espectador a refletir. O governo, a liberdade de imprensa, a ética na comunicação, o espaço das mulheres na gestão de grandes empresas. Pra quem é comunicologo como eu será um prato cheio. Meryl está demais! Essa mulher consegue passar o clímax sobre a personagem que contagia quem tá assistindo. Quero ver de novo com certeza.

Acredito que, no segundo parágrafo, onde está escrito "A dinâmica 'Igreja vs Estado'", seja "Imprensa vs Estado".

Completamente massante, mal assisti meia hora, e desliguei logo, que filme mais...cansativo..

Outra crítica: https://cinematographecinemafilmes.wordpress.com/2018/01/26/the-post-a-guerra-secreta-2017/

Excelente. Só digo isso. Mesmo sabendo o final da história, fiquei apreensivo em vários momentos. O filme te coloca na situação. Cinemão. 😆

Achei que o filme focaria mais no embate entre imprensa e governo. Ou que enaltecesse o teor investigativo do trabalho do jornal, um pouco como Spotlight fez. Na prática, ele não investe muito em nenhum dos dois. A maior pressão sobre os ombros da protagonista parece se dar mais pelo mercado em si, do q pelo próprio governo, q na prática nunca chega a intimidar muito. Mas o filme é bom, as atuações são ótimas. Só esperava um pouco mais da história, assim como em Destino de uma Nação tbm. E não sei se entendi a parte final da crítica, mas se entendi, acho q vcs forçaram um pouco a barra na interpretação hahaha.

ha ha ha ha ha ha

Meryl Streep no diaboo veste prada e Dúvida estava incrivel também

É sério, vc liga ou se surpreende com a crítica de qualquer outro do omelete, antes até tinha o borgo,mas ele virou um mimizento leite com pera

Sarcasmo ou ironia?

Spielberg sem firula? Indo pagar pra ver.

Assisti ontem e achei absolutamente sensacional. A extrema competência sem firula da direção serve perfeitamente pra mostrar a extrema competência dos personagens do filme. Minha atuação favorita da Meryl Streep desde "Adaptação". O resto do elenco também está ótimo. Quero muito ver de novo.

Boa crítica...odeie o hessel,mas ele é o único crítico interessante do grupo...as vezes eu acho que ele faz de propósito até

Marcelo Hessel? passo...

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus