Filmes

Severina marca a volta do diretor de teatro Felipe Hirsch às telas

Protagonizado pelo astro do cult Medianeras, filme aposta em herói romântico a partir do universo da literatura latina
-
Severina/Divulgação
 - Severina/Divulgação

Depois de um hiato de quase dez anos de sua estreia em longas-metragens com Insolação(2009), Felipe Hirsch, um dos mais prestigiados diretores do teatro brasileiro, volta aos cinemas com um drama sobre amor e literatura aclamado em sua passagem pelo Festival de Locarno, na Suíça: Severina. Sua estreia aconteceu na quinta-feira (12), repleta de elogios da crítica nacional.

Poderia definir este filme como sendo uma história de amor aparentemente simples, mas que contém muitos outros assuntos do continente latino-americano, inclusive políticos, mediado pela minha relação com grandes romances escritos no continente”, diz Hirsch ao Omelete.

Com foco na rotina de um livreiro e aspirante a escritor, abalado por uma enigmática mulher que rouba em sua loja, o roteiro de Severina é baseado na prosa do escritor guatemalteco Rodrigo Rey Rosa (Os Surdos). Lotado de atores hispânicos de respeito, como o chileno Alfredo Castro (De Longe Te Observo), o longa começou a ser produzido por Rodrigo Teixeira, de Frances Ha (2012), A Bruxa (2015) e Me Chame Pelo Seu Nome (2017), durante a criação de Puzzle, projeto teatral realizado especialmente para a Feira de Livro de Frankfurt (Alemanha), em 2013.

Metáfora sobre o poder redentor da palavra, Severina faz a cartografia de um amor obsessivo que se desenha entre papéis e narrativas. No enredo, R. (Javier Drolas, com quem Hirsch filmou a série A Menina Sem Qualidades, para a MTV), é dono de uma livraria onde uma moça de comportamento incomum, Ana (Carla Quevedo), atrai sua atenção, e não só pelo hábito de surripiar romances para ler e compartilhar com um suposto avô. Os hábitos dela revelam algo sobre nossa realidade continental.

De certa forma, o Rey Rosa se coloca um pouco nesta história, que veio como reação ao processo de separação dele, mas não é uma relação direta, pois temos aqui algo de mágico em relação a heróis românticos”, diz Hirsch. “Gostaria de ver mais gente olhando para a prosa que está sendo feito nas Américas, pois é importante mostrarmos pro mundo que escritores incríveis como Alejandro Zembra, Leonardo Padura Fuentes, Juan Villoro estão escrevendo do nosso lado”.

Leia mais sobre Felipe Hirsch

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus